Equipe
Alexandre Allard Idealizador e Incorporador - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Alexandre Allard

Idealizador e Incorporador
Jean Nouvel Arquitecto - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Jean Nouvel

Arquitecto
Philippe Starck Designer e Diretor Artístico - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Philippe Starck

Designer e Diretor Artístico
Louis Benech Paisagista  - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Louis Benech

Paisagista
Rahda Aurora Presidente Rosewood Hotels & Resorts - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Rahda Aurora

Presidente Rosewood Hotels & Resorts
Ateliers de France Responsável pelos acabamentos - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Ateliers de France

Responsável pelos acabamentos
Triptyque Gerente do Projeto Arquitectônico - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Triptyque

Gerente do Projeto Arquitectônico
Cidade Matarazzo por
Helena Rizzo Chef e sócia do restaurante Maní, São Paulo - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Helena Rizzo

Chef e sócia do restaurante Maní, São Paulo
Vik Muniz Artista plástico - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Vik Muniz

Artista plástico
Humberto & Fernando Campana Designers - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Humberto & Fernando Campana

Designers
Oskar Metsavaht Médico, designer e artista visual - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Oskar Metsavaht

Médico, designer e artista visual
Ara vartanian Designer de joias - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Ara vartanian

Designer de joias
Swizz Beatz Artista e músico - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Swizz Beatz

Artista e músico
Angelo Naj Oleari Botânico e escritor - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Angelo Naj Oleari

Botânico e escritor
Etel Carmona Designer e empresária - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Etel Carmona

Designer e empresária
Marcelo Rosenbaum Designer - Jean Nouvel - Philippe Starck - Rosewood Suites São Paulo Brasil

Marcelo Rosenbaum

Designer
arrow-left copy 9 Created with Sketch.
arrow-left copy 9 Created with Sketch.

Team
Alexandre Allard | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Alexandre Allard

Idealizador e Incorporador

Nos anos ‘90, Alexandre Allard foi o fundador da Consodata, a maior base de dados de comportamento de consumo no mundo. Após passar alguns anos percorrendo o mundo, Alexandre Allard se deu conta de sua real ambição: o redescobrimento da energia criativa latente em lugares históricos e o processo de trazê-la de volta à tona via a justaposição do poder do patrimônio cultural e o dinamismo da arte contemporânea.  Allard foi responsável pela revitalização da marca de moda Balmain, que ele vendeu em 2014.

Sob sua direção, o Groupe Allard já é responsável por vários projetos bem-sucedidos de restoração de propriedades históricas, como os hotéis parisienses Royal Monceau e Hotel Particulier de Pourtalès. Há oito anos Alexandre Allard dedica sua visão à revitalização do Cidade Matarazzo, em São Paulo.

Jean Nouvel | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Jean Nouvel

Arquitecto

O francês Jean Nouvel, vencedor da mais honrosa condecoração internacional de arquitetura – o prêmio Pritzker – é reconhecido por sua diversidade criativa e sensibilidade urbanística. Entre uma pluralidade de projetos públicos e privados mundo afora, os seus traços projetaram emblemáticos preédios, como o Centro de Cultura Árabe, em Paris, o edifício Dentsu, em Tóquio, e a torre Agbar, em Barcelona. Em São Paulo, o seu legado será uma inovadora torre que expande verticalmente o parque Matarazzo ao erguer-se a 100 metros de altura na malha urbana paulistana.

Philippe Starck | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Philippe Starck

Designer e Diretor Artístico

O renomado criador, designer e arquiteto francês Philippe Starck é reconhecido mundialmente. Sua compreensão profunda de mutações contemporâneas, determinação de mudar o mundo, preocupação antecipatória por implicações ambientais, amor das idéias, desejo de defender a inteligência da utilidade - e a utilidade da inteligência - têm acompanhado um projeto icônico após outro. Desde produtos do dia-a-dia como móveis e espremedores de limão, até mega-yachts revolucionários, moinhos de vento individuais, bicicletas elétricas ou hóteis e restaurantes com a aspiração de serem lugares maravilhosos, estimuladores e intensamente vibrantes.

Este incansável e rebelde cidadão do mundo, que considera compartilhar sua visão ética e subversiva de um planeta mais justo seu dever, cria lugares e objetos não convencionais que têm como objetivo serem “bons” antes de serem bonitos.

Philippe Starck e sua mulher, Jasmine, vivem basicamente em aviões e em lugares que podem ser descritos como “meio do nada”.

Louis Benech | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Louis Benech

Paisagista

Paisagista formado na prestigiosa Sir Harold Hillier’s Nursery, na Inglaterra, Louis Benech é internacionalmente reconhecido como um dos melhores paisagistas do mundo e assina mais de 250 projetos de parques e jardins, particulares e públicos.

São seus os projetos de restauro dos jardins do Louvre, do jardim da fonte em Versailles, os jardins do Elysée, todos na França. Em São Petersburgo, na Rússia, desenhou o Pavilhão de Rosas e, no Rio de Janeiro, é dele o Jardim da Princesa, no Museu Nacional. Em São Paulo, todo o paisagismo do Cidade Matarazzo será de sua autoria.

Rahda Aurora | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Rahda Aurora

Presidente Rosewood Hotels & Resorts

Rahda Aurora foi nomeado presidente da Rosewood Hotels & Resorts em setembro de 2011. Respeitado hotelier, Radha possui mais de 30 anos de experiência em hospitalidade de luxo, tendo trabalhado com algumas das propriedades mais sofisticadas do mundo. Antes de se juntar à Rosewood, ele passou 16 anos no Four Seasons Hotels & Resorts, onde foi gerente geral do Beverly Wilshire e vice-presidente regional, tomando conta das propriedades da empresa no Oeste dos Estados Unidos e na região Sul do Pacífico.

A Rosewood é uma das maiores redes hoteleiras de luxo do mundo e será a marca do novo hotel que se inaugura no Cidade Matarazzo, o Rosewood São Paulo.

Ateliers de France | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Ateliers de France

Responsável pelos acabamentos

Criada na França, seguindo a tradição de compagnonnage presente no país desde a idade-média, Ateliers de France é composta de uma rede de engenheiros e especialistas nas mais refinadas técnicas de detalhamento e acabamento. O trabalho deles será encontrado pela primeira vez no Brasil dentro do Cidade Matarazzo, à convite exclusivo do Groupe Allard. Atualmente, Ateliers de France está desenvolvendo um programa de pesquisa inédito para encontrar soluções inovadoras no uso de materiais nobres como a madeira, mármore, espelhos e metais. O trabalho excepcional da empresa pode ser encontrado ao redor do mundo em hotéis como o Peninsula em Paris, o Four Seasons em Londres/Nova York e l’Hermitage em Mônaco. No Cidade Matarazzo, Ateliers de France foi escolhida para trabalhar com Philippe Starck para realizar o acabamento das Suites da Torre Rosewood Jardins, onde tudo será feito sob-medida. A finalização será supervisionada por Darius Sani, responsável pelo Tour Odeon em Mônaco e o Royal Monceau em Paris. Ateliers de France utiliza somente os materiais mais nobres da natureza brasileira, entregando assim acabamentos da mais alta qualidade para as Suites da Torre Rosewood São Paulo.

Equipe: Darius SANI; Sebastien LE PEZENNEC; Thales CURY; Gustavo ZIVIANI; Fabiana GAVA; Marco DA CUNHA; Gregory DE MATOS; Kim RIBEIRO

Triptyque | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Triptyque

Gerente do Projeto Arquitectônico

Escritório de arquitetura franco-brasileiro com sedes em Paris e São Paulo, Triptyque é formado pelos sócios Grégory Bousquet, Carolina Bueno, Guillaume Sibaud e Olivier Raffaelli.

Convidados a participar com instalações em exposições internacionais de museus como o Guggenheim de Nova York e o Victoria & Albert de Londres, Triptyque é reconhecido por sua expertise em construção sustentável, em projetos públicos e privados. Responsáveis por empreendimentos residenciais premiados, como o Harmonia 57 e o Fidalga 272, em São Paulo, recentemente os arquitetos receberam do Ministério de Cultura francês o prêmio NAJA para jovens arquitetos.

No Cidade Matarazzo são consultores de construção da Torre Rosewood São Paulo.

Visionários
Helena Rizzo | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Helena Rizzo

Chef e sócia do restaurante Maní, São Paulo

“Não se trata de nos fecharmos às influências externas ou negar o que há de bom em outras partes do mundo. Ao contrário, refere-se, sim, a olhar para dentro, descobrir as coisas incríveis que temos aqui, no quintal de casa.” 

Você é chef, foi modelo, estudou arquitetura. O Matarazzo também é um lugar transversal com arte, cultura, música, moda, cinema. Como essa ilha verde de poética italiana fincada no coração do agito paulistano lhe inspira? 

Tenho um lado bastante ligado às expressões culturais e humanísticas. Antes de me direcionar para a gastronomia, eu queria ser arquiteta. Cheguei até a cursar a faculdade. Minha mãe, artista plástica, incentivou-nos desde pequenos a brincar com argila, desenhar, pintar. Até hoje, adoro desenhar. Fiz vários grafites nas paredes da minha antiga casa e numa das paredes da Padoca do Maní. Para o livro do Maní, publicado em 2015, fiz uma série de desenhos e fotos de grafites, alguns extraídos dos meus diários de viagem da época em que morei na Europa. Arte e arquitetura fazem parte de mim, inspiram-me. Este meu lado está expresso em meus pratos. 

Vik Muniz | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Vik Muniz

Artista plástico

“A elegância antropofágica tem como propósito engajar o ambiente em um contexto de criatividade.” 

Como pretende transplantar para o Matarazzo o conceito que você vem desenvolvendo em sua arte, baseado no desafio das convenções visuais tradicionais e em questões sobre apropriações, que estimulam o debate sobre o original versus a cópia, o ícone versus o estereótipo, a ficção versus a história da arte? 

Minha conversa com Alexandre Allard e Philippe Starck girou em torno do tema de como consolidar o passado do Matarazzo com a contemporaneidade do projeto. Eu me recordo de sugerir uma espécie de arqueologia fantástica, amplamente baseada no contexto histórico da instituição, como ponto de partida para ficções sobrenaturais e surrealistas. Philippe e Alexandre chegaram a imaginar um personagem central, um certo conde Terrasse, sujeito nanico e prepotente, cujo fantasma ainda estaria perambulando pelos corredores do hotel. Sua exagerada coleção de medalhas estaria exposta em um lugar de destaque do lobby, ao lado de um livrinho, à disposição dos interessados, descrevendo como o conde ganhou cada uma delas. Uma das medalhas teria sido oferecida ao conde por ele ter domado sua montaria, uma espécie de quimera amazônica, amálgama de anta, tamanduá e jacaré. Outra por ser considerado o maior trapaceiro nas Olimpíadas de Baralho de Tirana, em 1912... Coisas assim. Uma extensa coleção de objetos relacionados à vida fantástica do conde estaria exposta no lobby, assim como as respectivas histórias. A ideia de criar uma arquitetura conceitual para o lugar, que transcendesse o lugar-comum do mundo dos hotéis temáticos, pareceu-me muito boa. A possibilidade de desenvolver uma poética estrutural como princípio básico para um local de convívio aproxima conceitos de arte e de vida.

O Matarazzo não vai te transportar para outro lugar ou época. Vai te transportar para outra dimensão. É como se Borges, em vez de escrever, fizesse instalações. 

Humberto & Fernando Campana | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Humberto & Fernando Campana

Designers

“Será um lugar transformador.” 

Como foi o contato inicial com São Paulo para vocês, meninos de Brotas? 

Fernando: Foi na reurbanização da Paulista e na construção do MASP, época de 2001: Uma Odisseia no Espaço. A sinalização foi redesenhada com totens pretos que remetiam ao filme. Havia uma modernidade no ar que indicava um futuro fantástico. Entristeceu-me quando a Paulista perdeu a identidade histórica com a implosão das casas. Era uma avenida art nouveau em contraste com o mobiliário urbano moderno. 

Platão conduzia suas conversas guiado pelo genius loci, o espírito do lugar. Aqui, no Matarazzo, como vocês veem o espírito do lugar?

Humberto: Será um lugar transformador, que elevará o patamar estético das pessoas da cidade. Curioso, porque é um estrangeiro quem incita esse movimento de valorização do que é nosso. 

Fernando: São Paulo é autodestrutiva, bipolar. Ela toma Rivotril e, no dia seguinte, usa outra droga. Antes era tudo cheio de outdoor de calcinha e cueca – o Wim Wenders até registrou em um ensaio fotográfico. O único ato político para a gestão estética da cidade foi a retirada dos outdoors, que despoluiu visualmente São Paulo em 2007.

Oskar Metsavaht | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Oskar Metsavaht

Médico, designer e artista visual

“Mas aí está o valor da experiência de uma ocupação: o desafio da transformação. ” 

O Matarazzo também é uma história de layers. Na mostra Made by... Feito por Brasileiros, em 2014, você ocupou um dos espaços com sua instalação Interfaces, que teve um recall alto entre os visitantes da exposição. Como foi sua experiência na coletiva? 

Inicialmente, o trabalho partiu de uma imersão que fiz no Inhotim. O Bernardo Paz foi muito generoso me permitindo fazer a experiência lá. Depois, em um papo com o Alexandre Allard, contei o que havia feito e ele me convidou a participar da mostra em São Paulo. Ao conhecer o espaço a mim dedicado, confesso que fiquei num misto de surpresa e decepção. As outras salas do hospital eram lindas e a minha era escondida e de mármore preto brilhante! 

Desinspiradora! Mas aí está o valor da experiência de uma ocupação: o desafio da transformação. Então pensei, como médico e artista, em torno do conceito de “curar” aquele hospital, desgastado e doente, com o meu elixir de arte e natureza com a performance Interfaces, em uma nova versão, inspirada na que havia criado no Inhotim. Era como se esse “elixir” – que eu “instilava” com minhas imagens naquele buraco de terra da minha sala sob o hospital, que iria se espalhando pelas paredes e pelos tecidos – pudesse finalmente curá-lo por meio da magia da transformação, como uma metáfora que abençoa este belo projeto do Alexandre Allard, que lhe dará nova vida, transformando-o em espaço de criatividade. As imagens foram projetadas nas paredes, em espelhos e sobre tecidos em movimento que flutuavam, criando uma experiência visual e sensorial de imersão nesse meu imaginário de uma interface entre o homem, a arte e a natureza. Foi como se a arte daquelas imagens e a beleza dos movimentos e das cores estivessem purgando o antigo hospital. 

Ara vartanian | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Ara vartanian

Designer de joias

“A criatividade nos levará a outros futuros.” 

Como vê a iniciativa de Alexandre Allard em relação à criatividade propriamente dita e à economia criativa no projeto Matarazzo?

A economia criativa se insere nas perspectivas que defendo. Por tudo isso considero admiráveis a coragem e a iniciativa de Alexandre Allard ao realizar em São Paulo o projeto Cidade Matarazzo. Como empreendedor, ele consegue ampliar as oportunidades surgidas na globalização e nas mídias digitais, propondo formas inovadoras para informar e ressaltar a criatividade das pessoas e de grupos sociais. A economia criativa agrega conceitos variados, ao valorizar a originalidade regional, as integrações colaborativas e a geração de valores culturais. Precisamos exatamente encontrar esse admirável mundo novo que move, depura, refina, acelera e irradia a criatividade que já começa a reinventar a economia de maneira menos repetitiva, comercial, padronizada e destruidora. A criatividade nos levará a outros futuros. 

Swizz Beatz | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Swizz Beatz

Artista e músico

“São Paulo tem muitos artistas incríveis que precisam ser celebrados, amados, e o mundo precisa conhecê-los. (...) Hoje, o mundo é uma grande energia criativa.” 

Cidade Matarazzo terá um estúdio de música de altíssima qualidade e você está à frente do conhecido Jungle Studio, em Nova York. O que diz da iniciativa em São Paulo? 

É importantíssimo ter um estúdio em São Paulo nos moldes do Jungle Studio, que é uma referência nos EUA. Os músicos estrangeiros terão um novo espaço para criar e isso os atrairá ao Brasil. Assim poderão desenvolver trabalhos inovadores em parceria com uma comunidade de artistas de excepcional qualidade. Hoje o mundo é uma grande energia colaborativa. Antes era todo dividido em ilhas, aqui e ali. Agora é diferente, e todos querem se comunicar com o mundo inteiro. Artistas americanos vão criar parcerias não só com os brasileiros, mas também com artistas de todas as nacionalidades. É importante organizar hubs criativos e continuar a desenvolver mais e mais hubs. 

Alexandre Allard diz que o “Brasil irradia criatividade”. Você já colaborou em vários projetos criativos, entre eles, Christian Louboutin, Adidas, etc. No que o Cidade Matarazzo lhe inspira? 

Tantas coisas diferentes! Por exemplo, inspira-me não só na área de música, mas também no desenvolvimento de outros projetos. Como na moda, no cinema. São tantas coisas interessantes nas diferentes áreas da criatividade que temos a realizar, tudo sob o mesmo guarda-chuva da criatividade. É o começo de algo especial, grandioso, que vai contribuir positivamente, inspirando a evolução dos costumes internacionais, sempre tendo como objetivo principal a arte e o artista.

Angelo Naj Oleari | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Angelo Naj Oleari

Botânico e escritor

“Hospital Matarazzo, um pequeno Central Park (...), a expressão concreta de um Brasil que tem muito para oferecer.” 

Como o senhor, uma pessoa de grande sensibilidade e visão, analisa o projeto do Matarazzo, no coração pulsante de São Paulo, pela via da filosofia verde?

A vida sempre oferece novas possibilidades de participação criativa no percurso evolutivo e propõe oportunidades que nascem no momento justo, em um lugar surpreendente. É o caso do Hospital Matarazzo, um pequeno Central Park no coração de São Paulo, uma antiga construção em companhia de muitas árvores, com um fantástico projeto de uma floresta piramidal que abriga um misterioso hotel, contornado da expressão concreta de um Brasil exuberante que tem muito para oferecer. 

No contexto do projeto do Matarazzo, como o senhor analisa uma de suas especialidades, a Agricultura Selvática? E como vê esse conhecimento em relação aos índios que estarão representados no projeto?

A Terra possui uma super cie viva habitada por grande quantidade de seres que são a alma inerente a cada lugar. Ela agradece uma “arquitetura” que utilize materiais compatíveis e formas complementares. No projeto, os índios serão acolhidos com seus produtos especiais junto aos pequenos agricultores, que descobrirão na Agricultura Selvática um meio para a formação do jardim local e global. Seguir a formação vegetal espontânea para valorizar as propostas produtivas e evitar a atividade agronômica desequilibrada nos levará à conexão que permite respeitar a complexidade que dá vida aos diferentes lugares. 

Etel Carmona | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Etel Carmona

Designer e empresária

“São peças que valorizam suas origens e respeitam a madeira, o tempo, a floresta, o artesão, o designer.”

No Matarazzo, o mote do Grupo Rosewood, A Sense of Place, expressa a tradução da sensibilidade do local. Como transmitir este espírito genius loci por meio do móvel de autor?

Não vejo dificuldade. Na verdade esse espírito de busca pelo melhor do local de origem, com projetos que carregam fortemente o DNA de seus autores, como o “surrealismo” de Starck, é perfeito para se criarem legados artísticos. A autenticidade e o design icônico de peças como a chaise Rio, de Oscar Niemeyer, ambientadas em espaço fortes e únicos como os de Starck, criam o Sense of Place, tornando inesquecível e memorável a experiência do hóspede, que aproveitará a estada no hotel Rosewood São Paulo. Acredito que a arquitetura e o design tenham papéis muito importantes nas emoções, nas experiências e, em último plano, nas próprias decisões das pessoas.

A arquitetura e o design reúnem a missão de realmente imortalizar momentos. Estamos acostumados com projetos como este, que aliam arquitetura excepcional com design excelente. Muitas de nossas peças foram concebidas por seus autores para os espaços, assim como o mobiliário de Niemeyer e o de Lina Bo Bardi.

A Etel utiliza madeira certificada e está associada à política de preservação da floresta. O projeto do Matarazzo irá preservar a biodiversidade da Mata Atlântica em seus jardins e na torre verde projetada pelo arquiteto Jean Nouvel. O luxo atual, e principalmente o de um futuro breve, é verde?

Não é mais uma questão de luxo, mas de sobrevivência. O mundo precisa voltar a ser cada vez mais verde.

Marcelo Rosenbaum | Rosewood Sao Paulo - Cidade Matarazzo

Marcelo Rosenbaum

Designer

“Acho que nós, brasileiros, ainda não reconhecemos todo o nosso potencial criativo. ” 

Seu trabalho irradia brasilidade. Fale-nos sobre esta sua paixão. 

Tenho muito orgulho de meu trabalho possuir como inspiração principal os valores da brasilidade. A síntese do meu pensamento é o conceito do morar ampliado, além do projeto do espaço sico e da estética do objeto, interpretado sob seu recorte dos valores de conexão, identidade cultural, cultura popular, memória e inclusão. 

Como avalia o artesanato, sempre enaltecido em seus projetos, no caso específico do Matarazzo, que dará grande visibilidade a esta expressão dos saberes e fazeres manuais do Brasil?

A arte e o artesanato são expressões essenciais que vêm do divino, presentes nas pessoas, independentemente da cultura. Isso é o que nos toca. Acho que nós, brasileiros, ainda não reconhecemos todo o nosso potencial criativo. Será uma lição ver um patrimônio como o Matarazzo ser ocupado por tantos artistas, artesãos e pessoas criativas. No projeto de Alexandre Allard, elas poderão se expressar e gerar um impacto na cultura do Brasil. Isso é mágico. Uma energia amorosa e poderosa. Um presente para a cidade.